INFORMAÇÃO DE MARÇO – COVID-19 (CORONAVÍRUS)

No dia 02 de março foram conhecidos os dois primeiros casos de infeção, pelo novo coronavírus em Portugal (COVID-19). No dia seguinte, foi o SOJ informado de que algumas trabalhadoras da empresa contratualizada para efetuar a limpeza dos tribunais na Comarca de Faro se recusavam a trabalhar, alegando falta de pagamento – por parte da sua empresa – e as restantes, que se disponibilizavam para trabalhar, clamavam que a empresa não fornecia material nem equipamento.

Perante este cenário, o SOJ dirigiu-se ao gabinete do Senhor Secretário de Estado Adjunto e da Justiça e, no dia seguinte, à Senhora Diretora-Geral da DGAJ. A sua resposta foi pronta e competente e a situação foi normalizada, no que à limpeza das instalações diz respeito, no dia posterior (05 de março). Ainda nesse mesmo dia, por se mostrar importante acompanhar o plano de contingência, o SOJ foi informado pela DGAJ que já havia sido iniciada a distribuição de produtos higio-sanitários.

A distribuição, nomeadamente da solução antissética de base alcoólica (SABA), gerou descontentamento – pelo resultado do rateio ou por não ter ainda chegado aos núcleos -, legítimo, por parte de muitos Oficiais de Justiça, merecendo também a intervenção do SOJ junto de diversas Comarcas.

Haverá sempre – e somos os primeiros a reclamar – a necessidade de mais SABAS, em todas as Comarcas. Porém, existe atualmente enorme dificuldade na aquisição desses produtos no mercado, como é de conhecimento geral. Há, assim, que encontrar produtos sucedâneos, para o mesmo efeito, sendo o que se perspetiva nesta fase.

A higienização das mãos deve ser um ato recorrente e constante, assim como evitar que as mesmas entrem em contacto com olhos, boca, nariz e ouvidos – estudos epidemiológicos sobre a, chamada, “gripe espanhola” referem, igualmente, os ouvidos como órgãos vulneráveis à entrada de vírus.

Posteriormente, dia 11 de março, em mais um contacto com a DGAJ, o SOJ solicitou à Senhora Subdiretora-Geral, Dra. Ana Azevedo, para que fossem colocados a trabalhar em teletrabalho, com a maior celeridade, todos os Oficiais de Justiça pertencentes a grupos de risco (incluindo grávidas), de maneira a minimizarem-se as probabilidades de contágio pela COVID-19, uma vez que esse grupo de pessoas está mais debilitado, perante qualquer ataque viral.

De imediato, a Senhora Subdiretora nos informou que iria colocar a questão à Diretora-Geral, mas que acompanhava as preocupações do SOJ.

Mais tarde, a 12 de março, era determinado que todos os requerimentos de quarentena, teletrabalho e demais situações que se justificassem, não seriam objeto de decisões restritivas, nem dependente da atribuição de portátil e ligação com VPN. Mais: foi determinado que as situações clínicas que justificassem a realização de trabalho domiciliário não necessitariam de declaração médica, nem atestado, bastando apenas uma declaração do próprio funcionário de justiça.

É evidente que – e o mesmo foi avaliado com a Senhora Diretora-Geral – a situação, dada a sua urgência, impunha a desnecessidade de documentos, mas não o alheamento de responsabilidades. É importante que se perceba que a situação é excecional. Contudo, tal não afasta a responsabilidade, pela qual todos devemos pautar os nossos comportamentos. Os que não podem estar na linha da frente – entendemos que não devem sequer entrar na “rotatividade” – devem ser (e foram) os primeiros a sair, mas os demais devem partilhar o esforço de forma justa e equitativa.

Ainda nesse mesmo dia – durante a manhã –, na conferência de imprensa da FESAP, para informar as razões para a desconvocação da greve da Administração Pública, o Presidente do SOJ, tendo participado da mesma, alertou aos microfones da Lusa, SIC e RTP, para a necessidade de se legislar, no sentido de serem suspensos os prazos e atos processuais. Horas depois, foi o SOJ contactado por um grupo parlamentar, no sentido de conhecer a posição deste Sindicato sobre matéria tão importante, quanto pertinente.

Ao longo destes dias o SOJ – conforme é sua missão – tem procurado encontrar respostas aos problemas concretos da carreira. A questão do movimento, cuja entrega dos requerimentos foi adiada; mas também das férias que, igualmente, já foi objeto de esclarecimento, nos termos em que temos vindo a informar os colegas; a redução de quadros nos tribunais, o que tem vindo a ocorrer, pese embora de forma lenta e desarticulada, seja no número de quadros ou de serviços, etc.

Contudo, importará também conhecer a competência de cada entidade, pois que, em tempo de crise, somos todos responsáveis (Governo, demais Órgãos de Soberania, DGAJ, Conselhos de Gestão, Sindicatos e Trabalhadores), competindo, todavia, à Senhora Ministra da Justiça, determinar, em articulação com os Conselhos Superiores e com a PGR a efetivação do acesso ao direito e aos tribunais, como é natural num Estado de Direito e onde a Democracia não foi suspensa.

O SOJ já requereu à Senhora Ministra da Justiça, que assuma as suas competências e determine a efetivação do acesso ao direito e aos tribunais, para que possa ser reduzido o serviço presencial, ao mínimo indispensável. O SOJ considera – e tem transmitido a todas as entidades – que, ainda, há inúmeros Oficiais de Justiça nos tribunais (fisicamente), o que é deveras preocupante e levou a matéria ao conhecimento do Senhor Primeiro-Ministro, cujo gabinete já nos respondeu, cabendo agora à titular da pasta da Justiça responder; não ao SOJ, mas à Justiça e ao País, em conformidade.

Cumpre ainda esclarecer que, com exceção daqueles que se encontram em grupos de risco ou grávidas, o turno presencial não colide com o teletrabalho – é obrigatório. Sempre que é necessário um(a) Oficial de Justiça assegurar um turno, deixará de estar nessa situação – teletrabalho -, sendo substituído(a) por outro(a) colega. Isto é, há rotatividade entre teletrabalho e trabalho presencial.

Por outro lado, importa recordar que a modalidade de teletrabalho é centralizada pelo Ministério da Administração Pública. A DGAJ centraliza essa informação dos tribunais, mas a mesma é remetida, posteriormente, para a Ministra da Administração Pública. Daqui resulta, e esperemos que todos entendam o que está em causa, que todos os Oficiais de Justiça podem e devem estar em regime de teletrabalho, sempre que não estejam a assegurar serviço urgente presencialmente.

Porém, há sempre quem garanta que o seu trabalho é muito específico e que não pode exercer a sua função de outra forma, como se detentor de determinado lugar. Contudo, por vezes, é-se mudado de função, sem aviso prévio, no livre arbítrio das administrações. Ora, nesta fase, mais se justifica que todos exerçam funções que possam ser desenvolvidas à distância.

Esperemos que se entenda que a situação é excecional e que para situações excecionais, exigem-se medidas (também elas) excecionais, uma vez que ainda estaremos no início de um processo que poderá ser longo e custoso, sendo vital que impere o bom senso e ponderação.

Também a formação, através do e-learning – ministrada pelo Centro de Formação -, pode e deve ser uma aposta para a carreira. Esta é uma matéria que terá também, estamos convictos, resposta.

Para concluir, o SOJ irá continuar a pugnar, como sempre, pelo superior interesse dos Trabalhadores que representa, invariavelmente, com ou sem pandemias.

Com os Oficiais de Justiça! Pelos Oficiais de Justiça!

Lisboa, 02 de Abril de 2020

Últimas Noticias